domingo, 25 de maio de 2008

O amor é apenas uma desculpa para transar com frequência...

É isso mesmo: aquele cara aparentemente honesto e carinhoso que você chama de namorado, na verdade só está dizendo que te ama porque quer te comer mais vezes. Em princípio parece ser uma coisa legal, afinal, você também quer ter alguém para dar uma trepada de vez em quando, não é mesmo?

Mas já imaginou se o destino resolve te passar uma rasteira e te deixa frígida? Caso você venha a sofrer algum acidente grave ou de alguma doença que te impeça de fazer sexo, já pensou? Você acha mesmo que aqueles milhares de "te amo para sempre" dito por ele terão sido sinceros? Ele continuará com você? Continuará sendo fiel? Continuará te amando?

Sabe-se lá o que pode acontecer numa situação dessas, mas a verdade é que, se ele permanecer com você, será por ética, que neste caso, é apenas um nome bonitinho para culpa. Não adianta ter fé no amor, pois o amor não está nem aí para o que você acredita. Aliás, os animais estão aí há milhões de anos e não acreditam em porra nenhuma.

Uma coisa engraçada nisso tudo é que os animais - que arrogantemente nós chamamos de "irracionais" - não precisam de desculpas para procriar e não inventam mil e um "adjetivos" para escolher parceiros, como ser carinhoso, honesto, divertido, fiel, curtir pagode, rock ou ser emo, usar Adidas, Nike ou Allstar, tocar instrumentos, ler livros, gostar de filmes, de viagens, de cachorros... e no entanto, os animais fazem sexo, sentem prazer, procriam e perpetuam a espécie do mesmo jeito. Eles só não sabem por que precisam fazer sexo, mas fazem com o mesmo sucesso que a gente e sem tanta burocracia.

Aliás, nós também não sabemos direito porque procriamos. A ilusão é que filhos fazem um bem danado, mas eu sei, como pai, que não é bem assim. As preocupações e o estresse não compensam as alegrias. Não concorda? Então imagine que você ama uma pessoa durante muito tempo e ela te dá várias alegrias. Aí no final ela simplesmente foge com outra pessoa. Será mesmo que as alegrias compensarão a perda e a traição?

Não existe amor! Pelo menos não esse conceito de amor entre um homem e uma mulher que você já deve ter cansado de ouvir. Existe apenas o impulso universal e inconsciente de procriar para perpetuar a espécie, mesmo que problemas como aquecimento global e falta d'água ameacem todas as espécies no futuro. Então transe logo e foda-se o amanhã! Não finja que o amor é importante e pare de se perguntar se ele(a) te ama o bastante para ser pai ou mãe dos seus filhos... a natureza, seus hormônios e seus genes estão cagando e andando para esses detalhes.

O que eu quero dizer é que o amor se resume a sexo, sexo se resume a procriação, e procriação se resume a preservação da espécie. Não tem nada de romântico nisso, nada de lindo, de puro e de esperto. Exclua do sexo o amor e o instinto de procriação e sobra apenas o prazer, que é o que importa de verdade.

Sei que tudo isso é muito bobo e óbvio para todo mundo, mas não é o que parece quando ligo minha tv ou rádio, já que os roteiros dos filmes e as letras das músicas fazem tanta questão de exaltar o amor como se ele fosse algo tão lindo e necessário para a sobrevivência da espécie a ponto de precisar de tantas regras e códigos.

Claro que existem outros tipos de amor que nada tem a ver com que estou falando aqui, como o amor entre amigos (ou amizade) que, na minha opinião, é menos egoísta que o amor entre um homem e uma mulher... além do amor entre pais e filhos que, ao meu ver, é o verdadeiro amor puro e, talvez, incondicional (ainda tenho minhas dúvidas sobre isso).

Acertaram aqueles que pregam que o amor entre um homem e uma mulher é simples e que são as pessoas que o complicam, eu só não consigo entender, por exemplo, por que os gays, que não procriam, insistem em pensar que o casamento entre pessoas do mesmo sexo vai mudar a vida dos homossexuais pra melhor... como se fosse necessário ter o sobrenome do parceiro no RG para conseguir transar... ou, como se o amor só fosse verdadeiro depois de consagrado por um padre. Me cheira mais a interesses econômicos do que prova de amor.

E no final o "amor" é simples por isso mesmo, porque não é preciso ser casado, fazer um milhão de promessas ou possuir um zilhão de qualidades para amar e ser amado - ou, em palavras mais simples - para transar com frequencia.

(Mais tarde eu termino essa merda de texto, mas já deu pra esquentar os neurônios)

2 comentários:

Janinha disse...

Ei... faz tempo q não posta nisso aqui hein?!
Embora melancolia, tristeza, desamor não seja meu tema predileto para textos eu vou passar aqui com frequencia... fazendo o favor de melhorar tá?!
Beijos e saudade!

Geise disse...

nao li...mas vou postar..rrs
é que to com muito vontade de ir ao banheiro agora...e nao consigo me concentrar nas suas babaquices..mas volto pra colocar mil defeitos e discordar de vc!
te odeio ta!