quarta-feira, 13 de junho de 2007

Vivendo, aprendendo e se fodendo

Depois de algum tempo você aprende que não importa o quanto você já se fodeu nessa vida, ainda tem muito o que se foder. E mesmo que você tome muito cuidado para que isso não aconteça, algum desgraçado te fará esse favor. E descobre que “lição de vida” é apenas uma frase bonitinha que não quer dizer nada.

E com o tempo você vai aprendendo que as pessoas são mais hipócritas e egoístas do que você pensa, porque ninguém (incluindo você) faz o bem porque é realmente bom, mas porque praticar bondade satisfaz a sua própria vaidade. E mesmo a sua mãe, aquela “santa” que só dorme depois que você chega bêbado da balada as cinco da manhã, só se preocupa com você porque ELA MESMA não quer sofrer caso te aconteça algo de ruim, ou porque ela adora mostrar para o seu pai e para os vizinhos que é uma boa mãe. É como um marido que só traz flores para a esposa e diz que a ama porque, no fundo, só quer ter transas cada vez melhores.

E aprende que mesmo você quando sente dó ou vontade de ajudar alguém, isso não tem nada a ver com o fato de você ser bonzinho, mas porque VOCÊ não queria estar na pele daquele desgraçado. E se um miserável lhe pede um prato de comida, você só o ajuda porque isso faz você, exclusivamente VOCÊ se sentir bem. E pra ser sincero, você até sente um certo prazer ao ver a desgraça alheia.

E aprende que você pode amar uma pessoa com toda a sua força, ser carinhoso, generoso, bondoso, fiel, bonito, inteligente e transar bem, nada disso importa quando ela não sente mais paixão e já não tem mais nada o que descobrir em você. E que basta ela conhecer alguém com um pouquinho de beleza externa e ter um bom papo, para esquecer completamente da sua existência.

Aprende da maneira mais chocante e frustrante que, de dez mulheres que você transa, nove fingem orgasmo. E você se sente “o cara” por fazer uma única mulher gozar, mas depois pensa que para ela ter conseguido tal façanha, poderia muito bem estar fantasiando o Brad Pitt ou, pior ainda, o ex-namorado. Seja qual for a sua idade, acredite, você ainda nem aprendeu a chupá-la direito. Depois você pensa em todas as mulheres que você já homenageou em todas aquelas punhetas e imagina a sua namorada fazendo o mesmo (não, ela não se masturba pensando em mulheres). Ou seu namorado que goza cinco vezes numa noite e você se acha a mulher mais gostosa do mundo, quando na verdade, tem 90% de probabilidade de ele estar fantasiando aquela sua prima bonitinha do interior, e isso se você não tiver uma irmã ou até mesmo uma mãe gostosa.

E aprende que ninguém é fiel. Se a pessoa que você ama ainda não te traiu, é porque você não ficou tempo suficiente com ela, ou porque ela ainda é apaixonada por você, ou porque ela tem medo de algo. Mas fiel de verdade ela não é. E o problema não é “homem ser tudo igual”, ou “só a Amélia ser mulher de verdade”, o problema é que o ser humano não presta mesmo.

E aprende que aquele mesmo Deus poderoso e bondoso que sua mamãe vivia dizendo que lhe ajudaria quando você precisasse dele, será o mesmo Deus que vai te ignorar quando você estiver no fundo do poço. Chore o quanto for, implore ajuda o quanto quiser, ele vai começar a assobiar e fingir que não é com ele. E alguns idiotas vão vir com aquele papo furado dizendo que Deus sabe o que faz e que há males que vêm para o bem, mas é tudo balela. Se Deus fosse realmente esperto (ou se existisse), teria criado todos nós espertos que é pra não ficar ouvindo reclamações.

E você infelizmente precisa aprender que só o tempo vai curar sua dor, mas aprende também que três meses sofrendo por amor é como três meses dando pra um cavalo. E que chega uma hora que você sente tanta pena de si próprio que mal consegue ter tempo de pensar nas crianças que estão morrendo em guerras estúpidas pelo mundo a fora. E sua dor não passa, Deus continua te ignorando e você insiste em achar que Ele se importa com seus problemas.

Aprende que todo mundo na vida tem seus momentos bons e ruins, mas o que mais te incomoda de verdade não é saber que sua vida está difícil, mas descobrir que outras pessoas estão felizes enquanto você está na merda, porque você é invejoso.

E aprende que aquele seu velho tio chato quando diz que você tem que fazer o que gosta, não tem a mínima noção do que está dizendo, porque você aprende que pode trabalhar no ramo que você sempre sonhou e fazer o que mais gosta, mas quando ele se torna uma obrigação, você vai ficar de saco cheio. E que por mais que você mude de profissão, com o tempo, qualquer trabalho torna-se estressante.

Aprende que o ser humano só se sente realizado depois de: a) fazer sexo; b) casar; c) ter um filho; pra mais tarde descobrir que casamento e filho foram inventados com um único propósito: impedir cada vez mais que você faça sexo. E que esposas e maridos são como filhos, te dão algumas alegrias, mas a dor de cabeça que te causam não compensa.

Aprende que não dá pra salvar o mundo, e que a esperança só serve para prolongar o seu tormento. E vai aprendendo que igualdade só existe pra deixar o mundo mais interessantemente monótono do que ele já é, porque no fim, você descobre que é a disputa pelo primeiro lugar que torna nossas vidas interessantes. E dinheiro não traz felicidade, mas ter amigos para invejar o seu dinheiro, isso sim, te deixa feliz.

Com o tempo você aprende que ter inteligência num mundo tão ignorante é tão importante quanto falar grego no Haiti, ou contar piadas de louco para um monte de criancinhas esquizofrênicas. E que a ignorância é a maior virtude do ser humano, porque viver num mundo de ilusão é mais fácil e conveniente.

Aprende finalmente que você é substituível como profissional, como amante e como ser humano, porque existem 6 bilhões de pessoas pateticamente iguais a você. E tem de aceitar que você não é mais o centro do universo, nem necessário para a vida na Terra e, se você der sorte de morrer cedo, um ano depois seu filho já vai estar chamando de pai o cara que vai estar comendo a sua mulher. Ou vice-versa.

A verdade dói, eu sei, mas com o tempo você aprende.

Ass.: Danilo Shakespeare Nietzsche de Murphy de Cullodetumadre

3 comentários:

Bruna Burck disse...

ah meu, vai se fuder Danilo! seu bosta.

e pensar que eu ainda perco meu tempo lendo seu textos fodas.

*ex cruSSi fã.

Ricardo disse...

Putz, isso é um tratado do pessismismo...rs! vou te dar um desconto porque o ser humano tem necessidade de transformar em mito o que não se consegue explicar...rss, partindo daí essa racionalidade toda é um mito. Ave Daniluss

Ricardo

Elisa Quadros e Valeria Semeraro disse...

Dá cá um abraço...isso, não chora, pronto, pronto, passou.

agradecemos a visitinha.